Fechar
Semântica: uma introdução ao estudo formal do significado

Semântica: uma introdução ao estudo formal do significado

Este livro é uma introdução à semântica. Busca apresentar, sem pré-requisitos, esta área da linguística dedicada ao estudo do significado.
Significado é, ele mesmo, um conceito um tanto abrangente e complexo. Por um lado, extrapola o linguístico: acontecimentos, como uma guerra, têm significado; gestos, como um olhar ou um aperto de mão, têm significado. O silêncio, como o de uma pausa dramática em uma peça de teatro, pode ter significado. Por outro lado, mesmo dentro do universo linguístico, o significado é tentacular, alcançando os múltiplos níveis de análise que a forma das expressões linguísticas admitem: afixos, palavras, predicados, sentenças e textos têm significado. E como em toda empreitada intelectual em que nos debruçamos sobre um objeto complexo, há muitas abordagens e muitos pontos de vista a partir dos quais podemos olhar para ele. Não temos a pretensão de percorrer todo este vasto e pantanoso território, nem de nos colocar em todos os pontos de vista. Faremos, desde a partida, recortes empíricos, teóricos e metodológicos. Isolaremos faces e aspectos do significado que, esperamos, sejam consistentes e eventualmente integrados com descobertas e análises vindas de outros domínios e pontos de vista.

Semântica: uma introdução ao estudo formal do significado

A abordagem que seguiremos costuma ser chamada de semântica formal. Abordagens formais se valem de ferramentas e métodos lógico-matemáticos na explicitação de seus conceitos, análises e explicações. De fato, a semântica formal está enraizada em uma tradição lógico-filosófica em que a matemática tem um caráter instrumental importante. Com exceção das considerações de caráter mais informal e descritivo que faremos no primeiro capítulo, o restante do livro se enquadra nesta abordagem semântica. Veremos que, mesmo com um aparato formal modesto e facilmente manipulável por não iniciados, é possível conseguir um notável alcance empírico.

A princípio, qualquer nível de análise linguística que manifesta significado, de afixos a textos, pode ser abordado com um viés formalista. Neste livro, entretanto, nosso recorte recairá sobre o nível sentencial. Falaremos do significado de sentenças e de como ele se compõe a partir do significado das palavras e dos constituintes sintáticos que estruturam estas sentenças. Frequentemente, olharemos para as interfaces da semântica com áreas vizinhas, seja com aquelas que estudam a forma das expressões linguísticas, a sintaxe em particular, seja com aquelas que se ocupam da comunicação linguística e da transmissão de significado entre interlocutores, a pragmática em particular.

Responder a pergunta ‘o que é o significado?’ é enfrentar uma questão filosófica profunda e que pode ter um efeito paralisante naquele que se inicia na área. Esse efeito, porém, não é exclusividade da semântica. Pense no que é a Biologia. O estudo da vida, alguém dirá. Mas o que é a vida? Difícil dizer. Mas essa dificuldade não impediu a ciência da vida de progredir. Como isso foi possível? Bem, fazendo o que normalmente se faz em ciência. Começa-se com uma caracterização intuitiva, pré-teórica do objeto de estudo e passa-se a investigar fenômenos em que ele se manifesta. No caso da biologia, a manifestação da vida se dá no que, pré-teoricamente, chamamos de seres vivos. O que tais organismos têm em sua constituição e funcionamento, que os demais organismos, os seres não vivos não têm? Responder precisa e explicitamente essa pergunta é, de certo modo, responder a pergunta ‘o que é a vida?’. Assim foi feito, assim tem sido feito e assim se chegou a sistemas de órgãos, a células, ao DNA e a uma enorme quantidade de conhecimento sobre o que caracteriza os seres vivos e, portanto, a vida.

É assim que pretendemos proceder neste livro. Olharemos para uma série de fatos linguísticos que, intuitiva e pré-teoricamente, envolvem a noção de significado e, a partir disso, buscaremos compreender o que está por trás destes fatos. Esperamos que, procedendo assim, naturalmente nos aproximemos do próprio significado, o que quer que ele venha a ser.

Como dissemos inicialmente, não há pré-requisitos para a leitura deste livro. Qualquer pessoa interessada na linguagem humana, mesmo as que nunca tiveram contato com a literatura da área, terá plenas condições de seguir o material apresentado. O livro está divido em capítulos relativamente curtos, que devem ser lidos na ordem em que aparecem no sumário. Ao final de cada um destes capítulos, há exercícios que o leitor não deve deixar de fazer. Alguns reforçarão o material que acabou de ser abordado, outros convidarão o leitor a expandir seu horizonte. Há também recomendações de leitura que o interessado poderá consultar e que o levarão a níveis mais sofisticados. Estas recomendações incluem tanto materiais didáticos mais aprofundados e técnicos do que este livro, quanto textos fundadores da área escritos por filósofos, lógicos e linguistas cujos trabalhos ajudaram a dar à semântica formal o rosto que ela tem hoje. Espero sinceramente que o leitor se sinta instigado a olhar para essa literatura tão fascinante.

Em linhas gerais, eis o que aguarda o leitor: são 10 capítulos que podem ser vistos como formando três grupos. Os primeiros três capítulos, com títulos da forma significado e X, apresentam os fundamentos da semântica formal e as relações do significado com as noções de forma linguística, verdade e possibilidade. Além de conceitos centrais a qualquer abordagem semântica, como sinonímia, ambiguidade e vagueza, serão introduzidos os principais construtos teóricos com os quais semanticistas de viés formalista costumam trabalhar: valores de verdade, mundos possíveis e proposições. Os capítulos 4 a 6, intitulados a composição do significado I, II, e III, respectivamente, discutem como o significado de uma sentença é obtido a partir do significado de suas palavras e de sua estrutura sintática. São analisadas composições envolvendo noções como predicação, modificação, definitude, determinação e quantificação, a partir da análise semântica de substantivos, verbos, adjetivos, artigos, determinantes e orações relativas. Os capítulos 7 a 10, com títulos da forma para além de X, estendem esse material em termos empíricos e teóricos, discutindo o significado nos domínios da modalidade, temporalidade, pluralidade/massividade e eventividade. Nestes capítulos, discutem-se verbos com complementos proposicionais, as categorias de tempo e aspecto, a distinção entre substantivos contáveis (singulares e plurais) e massivos e, por fim, advérbios de modo, vozes gramaticais e a classificação de predicados verbais de acordo com o tipo de situação que descrevem.


Este livro deve muito a outros manuais que exerceram enorme influência em minha formação como pesquisador e professor na área de semântica. São obras inspiradoras e que muito contribuíram para os eventuais acertos didáticos do que está neste livro. Gostaria de destacar, em ordem alfabética, Altshuler et al. (2019), Chierchia (2003), Chierchia & McConnell-Ginet (2000), Gamut (1991), Heim & Kratzer (1998), Jacobson (2014), Larson & Segal (1995), Pires de Oliveira (2001), Saeed (2016) e Von Fintel & Heim (2011). Aproveito a oportunidade para agradecer às autoras e aos autores o muito que me ensinaram através de suas obras.

A primeira versão completa do manuscrito que originou este livro foi escrita em 2020, durante a trágica pandemia da COVID-19, que, no momento em que escrevo esta apresentação, ainda não chegou ao fim. Na maior parte deste período, o sítio de meu pai em Minas Gerais serviu de refúgio para mim, para minha mulher Elaine e para meus filhos Henrique e João Pedro. Gostaria de agradecer a companhia deles, do meu pai José Olindo, do Matheus, da Paula, do Rodrigo e da Vicentina. Sempre que pensar neste livro, vou me lembrar do privilégio que foi estar com vocês naquele momento tão atípico.

Após essa primeira versão, o manuscrito passou por algumas revisões de forma e conteúdo resultantes das leituras atentas que Elaine Grolla e Camila Silvestre fizeram e do seu uso nas minhas aulas de graduação da disciplina de semântica na USP. Meu muito obrigado à Elaine, à Camila e aos alunos por essa ajuda tão importante.


Marcelo Ferreira é professor associado (livre-docente) do Departamento de Linguística da Universidade de São Paulo. Possui doutorado em linguística pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), com especialização em semântica formal. Sua principal área de atuação é a semântica e suas interfaces com a sintaxe e a pragmática. O foco principal de sua pesquisa tem sido os domínios da temporalidade e da modalidade. É autor do livro Curso de Semântica Formal, publicado pela editora Language Science Press, coautor (com Marcos Lopes) do livro Para Conhecer: Linguística Computacional e coautor Novos caminhos da Linguística pela Editora Contexto, de artigos publicados em periódicos como Natural Language Semantics, Journal of Semantics e Journal of Portuguese Linguistics, além de capítulos de livro de editoras como Oxford University Press, Wiley-Blackwell e John Benjamins. É pesquisador e bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.