Fechar
Eu sou médico | Rubens Marchioni

Eu sou médico | Rubens Marchioni

Dr. Eugênio tomava um refrigerante na lanchonete em frente ao seu local de trabalho. Era uma quarta-feira quente de dezembro. Início da noite e final do seu período de plantão. Com ele estava Álvaro, um amigo de muito, muito tempo atrás.
– Doutor, você se lembra do primeiro dia aqui no hospital? – Álvaro perguntou.
– Sim, é claro, foi um dia muito corrido. Eu era um jovem médico… – Dr. Eugênio refletiu.

Enquanto falava, ele ajeitou as próprias roupas.

Álvaro, um homem de meia-idade, falava pausadamente. 
– Isso faz muito tempo, claro. – E você nunca perdeu o gás, não é mesmo?

Com os olhos sempre voltados para o alto, como que se conectado com outro mundo, Dr. Eugênio sustentava aquela conversa com palavras calculadas. Assim era o velho médico, dentro e fora do consultório. 

– Acho que perdi um pouco do gás. Ando meio cansado. – disse ele. – Mas não perdi a teimosia.
– Sei, a boa e velha teimosia de sempre… – respondeu Álvaro. – Teimosia do bem!

– Uma lembrança daquele tempo: qual seria? – perguntou o amigo, como se iniciasse um pingue-pongue.
– O que aconteceu naquele dia não foi negligência minha. Foi uma fatalidade. – Aquela jovem, o nome dela era Joana, uma uruguaia. – Dr. Eugênio lembrou.
– Do que você está falando? – disse Álvaro, com interesse.

Dr. Eugênio ajeitou novamente as próprias roupas.

– O caso da Joana… Nem a ciência sabia o que dizer. Como é que eu ia saber?! – respondeu.
– Sei. Esquece isso, meu amigo. Já passou. – disse Álvaro. – Você é humano, lembra?

Com a mesma determinação com que trabalhava para apagar uma incômoda imagem que lhe pesava, há mais de 40 anos, e dando passos arrastados, Dr. Eugênio tomou o rumo do estacionamento. Seu destino era um pouco de repouso depois de um dia confuso tentando salvar a vida de pacientes com covid-19.   

Dr. Eugênio ajeitou novamente as próprias roupas.

A rua paralela ao hospital era um cenário mal iluminado e vazio. Ali estava uma jovem grávida, sentada na guia. Havia também uma árvore na calçada, mas ela nada fazia além de escancarar seu esqueleto ressecado. 

Dr. Eugênio freou o carro. Desceu tão rápido quanto pôde e ajeitou novamente as próprias roupas. A jovem transpirava muito e seu rosto estava pálido, apagado como o próprio dia em compasso de despedida.

O médico tentou falar com ela. A jovem não respondeu. Ele tentou novamente. Sem ouvir uma resposta, procurou acomodá-la no próprio carro. Voltaria correndo para o hospital.

Mas a rua que lhe permitiria cortar caminho e ganhar tempo em favor da vida era contramão, e desrespeitar a regra seria motivo suficiente para uma punição ao motorista. No entanto, o estado daquela jovem quase desfalecida não encontrava espaço para flexibilizar a dureza da lei.

Eu sou médico | Rubens Marchioni

Dr. Eugênio ajeitou novamente as próprias roupas. Tentou explicar isso ao guarda de trânsito, feito de olhos duros e repertório escasso. 

– Seu guarda, eu sou médico, estou socorrendo uma mulher… – disse.
– Eu sinto muito. Não pode passar por aqui. É contramão. – respondeu, inflexível. Vou ter de multar o senhor. Os documentos do veículo! – disse, com uma caneta apontada para o médico.

O segurança de trânsito precisava mostrar a si mesmo que não levaria outra advertência, como aquela em que, para facilitar o trabalho de um médico, agiu de uma forma que seu comandante enxergou como desobediência. Assim, impondo-se uma atitude que lhe dava a sensação de responder à sua necessidade crônica de autodisciplina, lutava para mostrar que não repetiria o gesto.

Agora, para ele, ao menos por medida de precaução, a lei valia mais do que qualquer coisa. Cumpra-se. Mas Dr. Eugênio insistiu.
– Eu sou médico, tenho compromisso com a vida, procure entender, poxa!
– Encoste aí, por favor. Encoste aí. – respondeu o policial.
– Tudo bem, eu encosto. Mas encoste aqui um pouco você também. Vou lhe dizer umas coisinhas.

Disse. Disse tudo. Disse ainda mais um pouco. E se calou, tão estacionado quanto seu veículo.

Usando um celular de última geração, o policial fez duas chamadas. Não demorou muito até que uma viatura, sirene ligada, chegasse. A jovem grávida teve de retomar seu espaço na calçada. Detido para averiguação, Dr. Eugênio foi gentilmente convidado a entrar no veículo, que saiu depressa.

O Resgate chegou.


Rubens Marchioni é Youtuber, palestrante, produtor de conteúdo e escritor. Autor de livros como A conquista Escrita criativa. Da ideia ao texto[email protected] https://rumarchioni.wixsite.com/segundaopcao

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.