Fechar
A cola que não colou e a promessa de vingança | Rubens Marchioni

A cola que não colou e a promessa de vingança | Rubens Marchioni

Na vida, algumas soluções aparecem de maneira turbulenta. Senão, deixe-me contar duas histórias verídicas. No seminário, eu estava às vésperas de um ameaçador exame de Biologia. Mesmo não tendo o objetivo de ser biólogo, mas padre, se fosse reprovado voltaria melancolicamente para casa. Foi quando vivi uma experiência reveladora, que me marcaria para sempre.

Estudei, estudei, estudei e estudei, sem resultado aparente. Na véspera da prova, à noite, tomei a grande decisão: diante do Santíssimo Sacramento, orei com transparência: “Senhor, eu já fiz tudo o que era possível para aprender Biologia e não cheguei a lugar nenhum. Não tenho outra saída a não ser me transformar no maior especialista em cola. Amém.”

No dia seguinte, fui rigoroso ao reduzir informações contidas no livro de Biologia a umas poucas palavras. Depois de longas horas de trabalho, saí com a melhor e mais confiável cola de que se tem notícia. Além de uma autoconfiança muito maior.

Mas veio a surpresa, que me fez jogar tudo no lixo. Eu havia descoberto o que para mim era o melhor e mais produtivo método de estudo: fazer um resumo. Com a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo e do desafio de aprender a qualquer custo, aprendi e fui aprovado.

Anos mais tarde, cursando Teologia, vivi outra experiência que igualmente teria papel relevante em minha vida.

Em dado momento, tive a sensação de que um dos professores havia descoberto o prazer de devolver meus trabalhos escritos. Eles sempre chegavam com o pedido para que o texto fosse refeito. Ora, isso me levava a experimentar uma sensação de fracasso.

Embora me preparasse para também me tornar padre, especialista em perdão, prometi “vingança”. Ela consistiria em escrever trabalhos acadêmicos cuja qualidade “obrigaria” o professor a sempre me dar nota acima de nove. Obter o resultado pretendido transformou-se numa questão de honra.

A “briga” deu certo. É que além das boas notas, esse exercício me fez ver como é gostoso, prático e econômico fazer sempre o melhor. Fora do seminário, tudo isso contribuiu para que eu conquistasse algo que me fascina: ser redator profissional e escritor. Por conta disso, e já publicitário, ensinei Criação e Redação Publicitária durante 12 anos em universidades e outras instituições. Também me tornei o autor de dois livros sobre o assunto: Criatividade e redação: o que é, como se faz (Edições Loyola) e Escrita criativa: da ideia ao texto (Editora Contexto). Além de publicar mais de 400 artigos, alguns dos quais no Estadão e um deles na revista Mercado Global, da Rede Globo. Na verdade, eu me vinguei da dificuldade que inicialmente comprometia a qualidade dos textos. Sua bênção, padre. Sua bênção, mestre. Vencer desafios é da natureza humana. Saímos das cavernas, rumo ao século 21, apenas porque descobrimos como é gostoso conquistar benefícios após uma intensa luta e descansar até que venha a próxima.


Rubens Marchioni é palestrante, produtor de conteúdo, blogueiro e escritor. Eleito Professor do Ano no curso de pós-graduação em Propaganda da Faap. Pela Contexto é autor de Escrita criativa: da ideia ao texto.  https://rumarchioni.wixsite.com/segundaopcao / e-mail: [email protected]