Fechar

Livros sobre Bakhtin

Bakhtin 2 Nascido em Orel, localidade a sul de Moscou, de família aristocrática em decadência, Mikhail Bakhtin cresceu entre Vínius e Odessa, cidades fronteiriças com grande variedade de línguas e culturas. Mais tarde, estudou Filosofia e Letras na Universidade de São Petesburgo, abordando em profundidade a formação em filosofia alemã.

Viveu em Leningrado após a vitória da revolução em 1917. Entre os anos 24 e 29 conheceu os principais expoentes do Formalismo russo e publicou, entre outros, Freudismo (1927), O método formal nos estudos literários (1928) e Marxismo e Filosofia da Linguagem (1929), sendo esta última talvez a sua obra mais célebre.

Os seus trabalhos só foram conhecidos no Ocidente progressivamente a partir da década de 80, atingindo grande prestígio e referencialidade póstuma nos anos 90 – até a atualidade.

Seu trabalho é considerado influente na área de teoria literária, crítica literária, sociolingüística, análise do discurso e semiótica. Bakhtin é na verdade um filósofo da linguagem e sua lingüística é considerada uma "trans-lingüística" porque ela ultrapassa a visão de língua como sistema. Isso porque, para Bakhtin, não se pode entender a língua isoladamente, mas qualquer análise lingüística deve incluir fatores extra-lingüisticos como contexto de fala, a relação do falante com o ouvinte, momento histórico, etc.

A Editora Contexto possui diversas obras sobre Bakhtin. Para saber mais sobre cada uma, basta clicar nas capas abaixo:

O pensamento bakhtiniano não é constituído apenas pelos escritos do filósofo da linguagem Mikhail Mikhalovich Bakhtin (1895-1975), mas também pela produção de intelectuais de diferentes áreas que com ele participaram, nas Rússias compreendidas entre os anos 1920 e 1970, de vários e produtivos Círculos de discussão e construção de uma postura singular em relação à linguagem e seus estudos.
Dessa forma, Bakhtin e o Círculo apresenta as especificidades pelo ângulo da rede de textos com dupla assinatura, que, dependendo da época e/ou da tradução, privilegiam uma delas ou ambas. O livro fornece, junto com Bakhtin, dialogismo e polifonia análises essenciais para se compreender o pensamento bakhtiniano.
Além dos ensaios escritos por pesquisadores renomados, o fechamento da obra é um presente inédito ao leitor: "O vitalismo contemporâneo", de I. Kanaev (M. Bakhtin). Esse é mais um dos textos em que a autoria é discutida e que não tinha, até o momento, tradução para o Ocidente. Livro imperdível para pesquisadores, professores e estudantes de Letras e Linguística.

Bakhtin, dialogismo e polifonia dá continuidade à proposta contida em Bakhtin e o Círculo. O objetivo é apresentar o que hoje se denomina pensamento bakhtiniano, constituído pelos escritos de Mikhail Mikhalovich Bakhtin (1895-1975), produzidos nas Rússias compreendidas entre os anos 1920 e 1970, gerados nos vários e produtivos Círculos de discussão e construção de uma postura singular em relação à linguagem e seus estudos.
O comentário crítico de cada um dos trabalhos foi realizado por especialistas brasileiros e estrangeiros. A reflexão sobre o conteúdo específico de cada texto está acompanhada dos contextos geradores, divulgadores e receptores da obra em pauta.
O livro conta, ainda, com um texto inédito de Bakhtin: "Sobre Maiakóvski". Trata-se de um conjunto de notas sobre um dos mais importantes poetas russos do século xx, traduzido diretamente do russo. O que se conhecia de Bakhtin a respeito de poesia ganha uma nova dimensão a partir desses fragmentos. Obra imperdível para pesquisadores, professores e estudantes de Letras e Linguística.

Em A revolução bakhtiniana, o leitor é convidado a todo momento a participar do diálogo que Bakhtin estabelece com a ideologia contemporânea. Dessa forma, é apresentado aos autores com os quais Bakhtin conversa através dos temas que os ligaram.
A obra teve uma tradução cuidadosa, com consultas permanentes ao próprio autor, que escreveu um posfácio especialmente para a edição brasileira. Além disso, o livro ganhou uma cronologia e teve sua bibliografia atualizada.

Mergulha nas águas profundas do pensamento de Bakhtin, um dos mais versáteis e originais filósofos da linguagem no século XX.
Como conceitos e termos antes aplicados à literatura hoje são válidos para os veículos de comunicação de massa? Como essas teorias contribuem para a análise de textos e discursos reflexivos? 
Nesta obra, pesquisadores renomados explicam termos essenciais à compreensão da arquitetura bakhtiniana diante da linguagem e da vida. Conceitos como ato, polifonia e ideologia são analisados e interpretados de forma pontual.

 


O enorme sucesso de Bakhtin: conceitos-chave fez com que uma continuação se tornasse obrigatória. Este segundo volume, novamente coordenado por Beth Brait, recupera mais conceitos que continuam produzindo conhecimento nos estudos lingüísticos e literários e nas ciências humanas de maneira geral.
Pesquisadores envolvidos com as particularidades do pensamento bakhtiniano e com sua produtividade na construção do conhecimento situam, em sua origem, conceitos como análise e teoria do discurso, diálogo, interdiscursividade e intertextualidade, e realizam leituras de textos e discursos estimulados por eles. Além disso, três capítulos discutem perspectivas que dialogam de forma polêmica com importantes tendências filosóficas e teórico-analíticas da atualidade.
Para professores e estudantes de letras e lingüística, este livro traz importante contribuição para a compreensão da arquitetura bakhtiniana.

Fonte: Wikipedia

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.