Fechar
Dodecaedro Romano: mistério da arqueologia

Dodecaedro Romano: mistério da arqueologia

Dodecaedro Romano: conheça um dos maiores mistérios da arqueologia. Há 300 anos a comunidade científica tenta decifrar para que serviam esses artefatos enigmáticos do passado.

Em 1793, uma escavação no interior da Inglaterra revelou um curioso objeto de metal que tinha o formato de um polígono oco de doze lados — ou, em outras palavras, um dodecaedro. Cada face possuía um buraco esculpido, e, na parte exterior dos cantos da peça, havia pequenas esferas. 

Dodecaedro Romano: mistério da arqueologia
Dodecaedro exposto em museu da Irlanda – Divulgação/ Hunt Museum

A precisão com o qual o artefato havia sido moldado impressionou os especialistas da época, porém a característica mais marcante do achado era que eles não faziam a menor ideia de qual era sua função. 

Desde então, não avançamos muito no nosso conhecimento a respeito dessas relíquias do passado. Datadas do período entre o século 2 d.C e 3 d.C, na época do Império Romano, elas ficaram apelidadas de dodecaedros romanos.

O que sabemos
Mais de cem desses objetos foram desenterrados nos últimos anos. Eles estavam espalhados através da Europa: além da Inglaterra, os objetos foram encontrados na Alemanha, França, Itália, Espanha, Suíça, Hungria, Bélgica, Áustria, Holanda e Luxemburgo. A informação foi documentada pelo site News Beezer. 

A maioria era feito de bronze ou outro metal, embora alguns fossem de pedra. Todos eles possuem entre 4 e 11 centímetros de diâmetro, e os buracos de cada face do polígono metálico costumam ter tamanhos diferentes. 

Um detalhe curioso que apenas contribui para tornar a relíquia ainda mais enigmática é o fato que não existe nenhum documento histórico ou peça artística da época do Império Romano que faz menção a esse objeto.

As hipóteses
Teorias das mais variadas foram levantadas pelos especialistas ao longo dos séculos para tentar explicar para que os antigos usavam o dodecaedro.

No século 19, uma das especulações que ganhou bastante popularidade foi a de que o artefato era uma arma. No entanto, o objeto não é afiado, e sabemos que os soldados romanos atiravam bolas de chumbo nos seus oponentes, então não faria sentido que também jogassem algo tão intrincado quanto um polígono metálico oco com vários lados e aberturas.  

O fato é que, ainda de acordo com o News Beezer, vários desses dispositivos foram encontrados em regiões que foram palcos de batalhas romanas no passado. Dessa forma, uma outra hipótese levantada é de que se trate de um instrumento de medição. 

Olhando através dos orifícios de tamanhos irregulares do dodecaedro, por exemplo, soldados poderiam calcular a distância entre eles e algum equipamento inimigo. 

Essa outra teoria caiu por terra no ano de 2016, quando o historiador Tibur Grull observou que nenhum dos artefatos possui a mesma proporção. Dessa forma, eles não seriam adequados para usos matemáticos.

Como a maior parte dos dodecaedros não apresenta grandes sinais de desgaste, também há quem especule que se os objetos se tratavam simplesmente de uma peça artística, uma escultura de forma geométrica projetada para decorar ambientes ocupados por pessoas de prestígio. Essa hipótese também é sustentada pelo fato de alguns dodecaedros terem sido achados próximos de moedas ou outros artigos valiosos. 

Contudo, uma das teorias mais aceitas recentemente foi proposta por pesquisadores do Museu de Manchester, na Inglaterra, e é simplesmente de que o artefato tornava mais fácil a tarefa de costurar uma luva de tricô. A Europa é um local com invernos rigorosos, então seria um instrumento útil.

Outras especulações são de que o objeto seria um castiçal de vela, uma ferramenta pertencente a algum jogo ou simplesmente uma peça de significado religioso ou cultural. No fim, a única certeza a respeito do dodecaedro romano é que ninguém tem certeza de nada.

“Não temos nenhuma fonte da antiguidade que nos dê uma explicação para a função ou significado desses objetos. Qualquer uma dessas teorias pode ser verdadeira, mas nenhuma pode ser validada ou refutada”, explicou o arqueólogo romano Rüdiger Schwarz, que esteve envolvido em uma escavação na cidade alemã de Frankfurt, conforme repercutido por um artigo do site Mental Floss.

Sobre a Roma Antiga
A capital do império mais importante e poderoso que o mundo já conheceu foi a Roma Antiga. Em seu ápice, ela era quase idêntica às metrópoles atuais — mas sem os problemas que enfrentamentos hoje em dia, é claro.

Aliás, Roma era ainda mais apinhada que as cidades modernas: no ano 200, alcançou 1 milhão de habitantes e sua densidade demográfica atingiu 66 mil pessoas por km2 (hoje, a cidade mais apertada do mundo é Mumbai, na Índia, com 29.650 pessoas por km2).

O Império Romano é mundialmente conhecido por sua cultura, arquitetura, literatura e história vasta, repleta de batalhas e traições. Os mistérios, como no caso dos dodecaedros, no entanto, são algumas das heranças mais instigantes do período.

Fonte: Aventuras na História

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.