Fechar
Brasil: o futuro que queremos | Jaime Pinsky

Brasil: o futuro que queremos | Jaime Pinsky

Os gritos de indignação seletiva, que abafaram o debate de ideias nos últimos tempos, tanto no âmbito da política formal quanto no espaço das mídias sociais, poderiam dar a falsa impressão de que somos incapazes de estabelecer um diálogo qualificado e construtivo. Isso não é verdade. O país dispõe de especialistas e intelectuais de alto nível, ótima formação acadêmica e bons propósitos, detentores de senso de responsabilidade com relação aos caminhos que nosso país pode e deve trilhar. Estamos falando de gente preocupada com os rumos do país, de pessoas com ideias e projetos que podem (re)colocar o Brasil nos eixos. Sem milagres, com propostas concretas, elaboradas a partir de experiência e estudos. E mais ainda, sem palavras de ordem. Sem ofender os que pensam de modo diferente.

Esses brasileiros existem? Não só existem, como escrevem. E, felizmente, não são tão poucos. Alguns militam em partidos políticos, outros não. Alguns já exerceram cargos públicos, outros não. Alguns já tiveram funções executivas, outros não. É importante ressaltar que nenhum dos participantes deste livro foi escolhido por sua filiação política, senão por sua competência. Como historiador e cidadão, julguei que poderia ajudar o país promovendo um debate de alto nível sobre alguns dos problemas mais importantes que o Brasil precisa resolver nos próximos anos. E a Editora Contexto se sentiu na obrigação de organizar, editar e fazer circular um livro que pudesse colaborar com a superação de problemas endêmicos que nossa nação enfrenta.

Concebemos a obra com o objetivo explícito de qualificar o debate, de avançar na discussão de ideias, de reunir um grupo de brasileiros dispostos a sugerir políticas públicas em sua área de especialização e interesse. O leitor não vai encontrar aqui ensaios acadêmicos, embora todos os autores reunidos tenham competência para formulá-los, com muita qualidade. Simplesmente, não era esse o objetivo que buscávamos atingir. Não se trata também de panfletos destinados a justificar a plataforma de um ou outro partido político. O que não impede que capítulos deste livro inspirem a criação de leis, seja em uma modesta Câmara de vereadores, seja no próprio Congresso Nacional. E, quem sabe, algumas dessas leis possam ser sancionadas e colocadas em prática por políticos em funções executivas, desde o prefeito de uma pequena cidade do interior até o presidente da República.

Cada capítulo deste livro pode ser um ponto de partida para uma ação efetiva em uma área importante. Embora cada autor seja responsável apenas pelo seu capítulo, pela sua área de especialização, o conjunto de textos forma um livro que se torna um projeto de políticas públicas em diferentes áreas: economia, educação, agricultura, questão urbana, ciência e tecnologia, política externa, saúde pública, política de esporte e meio ambiente. Pedimos a cada autor que descrevesse o estado atual do problema, os obstáculos que a área enfrenta para encaminhar soluções adequadas, quais as forças políticas que se opõem ou dificultam a solução do problema, quais as que têm interesse e podem colaborar para que o problema seja solucionado, qual a prioridade da questão em comparação com outras questões importantes que devem ser solucionadas (Educação ou moradia? Esporte ou meio ambiente?) e, finalmente, onde é que os recursos destinados ao encaminhamento do problema irão ser encontrados. Os autores tiveram total liberdade de colocar suas ideias e estas foram integralmente respeitadas. Não por acaso alguns diálogos podem ser percebidos pelos leitores e não cabe a este coordenador do projeto chamar a atenção para esse aspecto do livro. Cada um faça a sua leitura e chegue às suas conclusões, democraticamente.

E democraticamente colocamos este maravilhoso conjunto de ideias à disposição de todos.

***

A concepção deste livro foi discutida, como sempre faço, com Carla, Daniel e Luciana. Para sua realização troquei ideias com Willian, Diogo e Moises. Saldiva teve a generosidade de se dispor a discutir comigo a alocação de alguns nomes. É claro, contudo, que a responsabilidade da seleção de autores recai exclusivamente sobre mim. E que as opiniões refletem o pensamento de cada um.


Jaime Pinsky: Historiador e editor. Doutor e livre-docente na USP. Foi professor na atual Unesp, na USP e na Unicamp, onde se tornou o primeiro professor titular concursado na área de humanas. Participou de atividades acadêmicas nos EUA, no México, em Porto Rico, em Cuba, na França, em Israel, e nas principais instituições universitárias brasileiras, do Acre ao Rio Grande do Sul. Criou e dirigiu as revistas de Ciências Sociais Debate & Crítica e Contexto. Escreve regularmente no Correio Braziliense e, eventualmente, em outros jornais e revistas do país. Tem mais de duas dezenas de livros publicados, principalmente na Contexto, editora que fundou e da qual é diretor editorial.