Fechar
A comunicação e seus caminhos. Ou descaminhos | Rubens Marchioni
A comunicação e seus caminhos. Ou descaminhos

A comunicação e seus caminhos. Ou descaminhos | Rubens Marchioni

Escrita CriativaBEM CEDO DESCOBRI na comunicação aquela força que me daria momentos de felicidade, um prazer realizador, desses que para serem conseguidos justifica-se qualquer esforço, todo sacrifício. 

Hoje, com a globalização exacerbada nos meios de comunicação, não carecemos mais de informação. O que nos falta, é opinião. – Pedro Cavalheiro

Mais tarde me dei conta da força que esse instrumento possui para intervir na sociedade em todos os seus segmentos. Dentre eles, a política que, junto com a economia, movem o mundo, nem sempre dotado de juízo, mas com o desejo de realizar seus projetos. Que o diga o longa-metragem O Quarto Poder, produzido no ano 1997 da era Cristã. Sem grandes rodeios, o filme, estrelado por Dustin Hoffman e John Travolta, discute a manipulação exercida por um repórter em relação à opinião pública, quando se trata de favorecer seus próprios interesses. Tudo porque a comunicação tem o incrível poder de construir e desconstruir mitos, nos quais a sociedade se apoia para defender posições, em todos os seus muitos segmentos.

Enquanto isso, em outro contexto, para não perder mercado e baixar melancolicamente as portas, por causa das decisões políticas ou apesar delas, empresas antenadas com as grandes mudanças vividas pela sociedade correm atrás de programas de capacitação para seus executivos. O cardápio, geralmente elaborado por escolas de primeira linha, inclui cursos de comunicação e criatividade para uma liderança eficaz.

O propósito é trabalhar esses conceitos nas organizações. Os encontros se dedicam a apresentar maneiras disponíveis para que líderes enfrentem as mudanças e aposentem modelos improdutivos de gestão. Alertam para as formas como a criatividade influencia o processo de comunicação e de liderança. Tudo com o apoio de exercícios que visam favorecer a abertura da mente e a obtenção do autoconhecimento. Porque só assim será possível colocar em prática o que está bem traduzido na advertência de Lucie Greene, diretora Mundial do JWTIntelligence, para quem “… a velocidade da inovação exige que as marcas tenham visão tanto a curto como em longo prazo, e que planejem suas estratégias não apenas para o ano que vem, mas para os próximos 20 anos”.

Executivos de todos os escalões são convocados a irem para além da simples oratória, colocando em prática a chamada “escutatória”, proposta pelo psicanalista e educador Rubem Alves. Apostando na mesma linha de pensamento, o historiador Leandro Karnal, professor da Unicamp, alerta para o fato de que hoje se pode dizer que ninguém ouve ninguém. No máximo, pratica-se uma audição defensiva, sem dar atenção ao que é dito, mas preparando a resposta que pode neutralizar a mensagem do interlocutor. Tempus fugit, mas sem exageros, por favor.

Falar. Ouvir. Estabelecer conexão. Respeitar a individualidade e a verdade do outro. Tudo isso se traduz no respeito ao ser humano. Direitos humanos, portanto, que deveriam ser defendidos sem tréguas. Primeiro, pela política – o exemplo deve vir de cima. Depois, pelos meios de comunicação, o quarto poder, com toda a sua força de construir e destruir pessoas ou grupos. Sem essa consciência essencial, de nada valem o ritmo acelerado com que o mundo digital se desenvolve, o acesso à informação, a globalização e tudo o mais que as mídias sociais podem fazer.

Tudo fará sentido e obterá resultados desde que o poder da comunicação, na empresa, na Igreja, na escola, em todos os grupos, transforme-se no ato de ouvir e estabelecer conexões válidas, em respeito à pessoa, de maneira integral. O resto será apenas o exercício pouco inteligente de manter uma tagarelice cansativa e ineficaz.


RUBENS MARCHIONI é palestrante, publicitário, jornalista e escritor. Autor de Criatividade e redação, A conquista e Escrita criativa. Da ideia ao texto. [email protected]http://rubensmarchioni.wordpress.com