Fechar
A virgindade perdeu a importância? – Jaime Pinsky e Carla Bassanezi Pinsky

A virgindade perdeu a importância? – Jaime Pinsky e Carla Bassanezi Pinsky

Será que a questão da virgindade feminina “já era”?

Para muitos pode parecer um problema superado, mas não é bem assim: inúmeras garotas ainda sentem angústia com a perda da virgindade ou a comemoram – de um modo ou de outro, não há indiferença. Entre amigos, nas redes sociais, na TV, nas escolas, no cinema, nos consultórios médicos, nas famílias o assunto continua vivo. Saber se uma celebridade é ou não virgem ou com quem e como um personagem de romance juvenil vai transar pela primeira vez é tema para várias horas de conversa. Muitos homens ainda hoje valorizam o fato de ser “o primeiro”. Teve gente que até leiloou sua virgindade pela internet e ganhou dinheiro com isso. Há mulheres que procuram clínicas médicas para reconstituir cirurgicamente seu hímen, tentando com isso se valorizar mais perante o sexo oposto. E há também os adeptos do movimento de norte-americano No sex que promove a abstinência sexual. Em muitos grupos, de diferentes convicções religiosas, conservar a virgindade até o casamento é algo fundamental, capaz de criar uma divisão bem nítida entre as mulheres que são ou não aceitas pela comunidade. Como lembra a historiadora Yvonne Knibiehler, em seu livro História da virgindade, isso continua importantíssimo entre os muçulmanos fundamentalistas. São eles que fizeram aumentar (até na França) a demanda pelo “certificado de virgindade”, assinado por um médico para ser exibido aos parentes. Alguns pais até prendem o documento no vestido da noiva para que todos possam vê-lo no dia do casamento.

Claro que o conceito, a percepção e a importância da virgindade, têm historicidade, mudam ao longo da História. Na Antiguidade, entre os judeus, a virgindade, ou seja, a “pureza” das jovens solteiras preservadas do ato sexual até o casamento era uma garantia para o marido de que o filho que nasceria de sua mulher seria legítimo.  Assegurar a autenticidade da filiação dessa maneira também era algo fundamental para os gregos e os romanos que acreditavam que as filhas dos cidadãos pertenciam ao pai a quem cabia oferecê-las como esposas para quem bem entendessem. Essas crenças reforçavam a dominação masculina nessas sociedades patriarcais e nas outras que surgiram depois, como, por exemplo, os muçulmanos para os quais, alem da questão do controle das mulheres e da descendência, a satisfação sexual masculina máxima seria a obtida no defloramento de uma virgem. Desde os primeiros tempos da difusão dessa crença, ser “o primeiro” é tão importante para eles que o paraíso de Alá coloca belas jovens virgens à disposição do crente.

O cristianismo, que bebeu nas fontes judaicas e clássicas, trouxe, contudo, uma novidade: a valorização moral e espiritual da castidade como um dos caminhos para a santidade. Isso permitiu a muitas mulheres optarem por se manter virgem para viver sua vida independentemente de marido e filhos; para elas, escolher entrar para um convento e ser “esposa de Cristo” podia significar maior autonomia e oportunidade de estudar. Além disso, durante a Idade Média e a Era Moderna, ser “donzela” dava certo poder; se Joana D’Arc não tivesse se apresentado na corte como virgem, dificilmente teria sido tão ouvida e respeitada. Com tantos significados e tanta importância atribuída à virgindade, violar uma virgem passou a provocar maior excitação entre os homens, como se fosse uma prova de virilidade. Como deflorar uma moça significava desonrar toda a sua família, o pai e os irmãos da jovem procuravam vingar-se do agressor; a vítima não contava, era um assunto de honra entre homens. Só muito mais tarde na História, o estupro seria condenado por sua violência contra a pessoa e as jovens agredidas passaram a ter leis para protegê-las.

A virgindade começou a perder importância social na época do iluminismo, mas o processo foi longo. Em pleno século XX havia uma dupla moral sexual, que permitia aos homens ter muitas experiências sexuais enquanto que as mulheres “de bem” deviam se manter castas e puras. Esses valores perduram até hoje em regiões e mentes atrasadas. Contudo, conforme as mulheres foram tendo mais acesso à educação, aos ganhos econômicos e aos métodos anticoncepcionais, passaram a reivindicar e obter maior igualdade de gênero. Com isso, a liberdade sexual aumentou e o prestígio do hímen diminuiu. Porém, como alerta Knibiehler em seu livro imperdível, nem tudo são flores: aí estão as doenças, a gravidez indesejada, a maternidade irresponsável. O desafio atual é resolver os problemas sem ameaçar  as conquistas obtidas duramente pelas mulheres.


Por Jaime Pinsky – historiador, professor titular da Unicamp, diretor da Editora Contexto, autor de Por que gostamos de história, entre outros livros – e Carla Bassanezi Pinsky – historiadora com doutorado em Ciências Sociais (Família e Gênero) pela Unicamp e co-autora de diversos livros, entre eles Nova História das Mulheres no Brasil.

1 thought on “A virgindade perdeu a importância? – Jaime Pinsky e Carla Bassanezi Pinsky

  1. Texto excelente! Imprimi para filha de 13 anos levar para escola. Foi tema de redação semana passada.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.