Fechar
Onde está a ideia que procuro para o texto? | Rubens Marchioni

Onde está a ideia que procuro para o texto? | Rubens Marchioni

Hoje, precisamente hoje, sou um escritor sem ideias. Elas foram embora? Não. Hoje, elas simplesmente se recusaram a aparecer. Uma greve? Uma rebelião? Ideias são matéria-prima. Seja qual for a causa que explica a sua ausência arrebatadora, sem elas, nenhum projeto consegue ao menos ter início.  

Abro todas as portas e todas as janelas. Olho dentro e fora, mas não há nada. O clima é de deserto. Talvez eu esteja revivendo a experiência de me sentir cercado e atacado, gratuitamente, como em Deserto, situação retratada no filme dirigido pelo mexicano Jonás Cuarón. O projeto foi rodado em condições complexas no sul da Califórnia. Mas teve a sorte de ser salvo graças ao talento do seu diretor e do casting, pra lá de qualificado. Nele, dois atores funcionam muito bem nos papéis principais. E isso me faz pensar em coisas como associação de ideias e toda a explosão de soluções que ela permite.

De minha parte, aqui estou eu. Num deserto, pronto para ser atacado por dois monstros: os ponteiros de um relógio. Encarando-me, eles não deixam passar um segundo sequer sem me lembrar de que tenho prazo para entregar o texto que insiste em se esconder. Se ele não vem, ao menos posso falar de traços característicos que o identificam.

Preciso, urgentemente, vivenciar a experiência criadora e salvadora de Cuarón. Preciso ser, eu mesmo, o personagem principal e todo o casting escalado para transformar em obra cinematográfica esse roteiro de que falo. Enfim, não posso abrir mão, sobretudo, de encarnar atores fundamentais para um bom desempenho do processo criativo – a intuição e o intelecto – para as suas mais brilhantes atuações.

As regras desse jogo, a maneira como um e outro vão contracenar, isso já foi sugerido pelo diretor, escritor e produtor sueco Ernst Ingmar Bergman. Sem se dar conta de que ministrava uma aula magna e decisiva de criatividade, ele revelou o segredo do seu trabalho: “Eu tomo todas as minhas decisões baseado na minha intuição. Primeiro eu lanço um dardo no escuro – isso é intuição; depois eu mando um exército recuperar o dardo – isso é intelecto.”

Sem isso, é bem provável que amanhã a minha bilheteria permaneça fechada. Não por conta da Covid-19 e das limitações que ela impõe, mas pela impossibilidade humana de produzir um novo lançamento.

Talvez o meu leitor já tenha experimentado um deserto sob seus pés com a poeira impedindo de ver o que está bem perto. Isso o levará a entender esse meu processo de busca. Por enquanto, fica a pergunta: onde está a ideia que procuro para o texto de hoje?


Rubens Marchioni é palestrante, produtor de conteúdo, blogueiro e escritor. Eleito Professor do Ano no curso de pós-graduação em Propaganda da Faap. Pela Contexto é autor de Escrita criativa: da ideia ao texto. https://rumarchioni.wixsite.com/segundaopcao / e-mail: [email protected]