Fechar
O que usávamos antes do petróleo?

O que usávamos antes do petróleo?

Antes do valioso combustível fóssil, a humanidade contava com fontes de energias eficazes e funcionais.

O que usávamos antes do petróleo?-fontes
Imagem meramente ilustrativa de uma máquina de extração de petróleo – Divulgação/Pixabay

Sem petróleo, todo mundo vivia muito bem, obrigada – usando, claro, outras fontes de energia, como madeira, tração animal, vento e carvão vegetal. A madeira foi a primeira: é utilizada desde a descoberta do fogo e ficou imbatível por milênios – era a queima dela que cozinhava os alimentos, aquecia e iluminava as casas.

Sua hegemonia durou até 1750, quando, com o aumento populacional das cidades europeias, a demanda cresceu e a oferta diminuiu. “A alternativa passou a ser o carvão mineral”, contou o engenheiro mecânico Washington Braga. Em 1900, vinha desse mineral metade da energia usada pelo homem para cozinhar, passar roupa, aquecer e iluminar suas casas e cidades.

Nas indústrias, o mineral substituiu a tração dos escravos e dos animais, com as máquinas a vapor. Até em carros o carvão foi usado. Em 1863, apenas cerca de 500 exemplares deles foram vendidos – eram grandes, caros, barulhentos e muito lentos. Mas o carvão também tinha “efeitos colaterais”.

A queima de seus derivados, turfa e linhita, liberava substâncias poluentes, como dióxido de carbono e enxofre. Mas, se na economia tudo ia bem, como o petróleo entra nessa história? Pode-se dizer que ele foi necessário por uma simples questão de espaço.

“O carvão limitava a potência das máquinas a vapor, que viraram geringonças gigantes”, afirmou a engenheira elétrica Eliane Amaral Fadigas. E, como elas eram incompatíveis com a Revolução Industrial, o petróleo foi a solução.

Conhecido desde a pré-história (os persas já sabiam que era um ótimo combustível), foi apenas em 1849 que se descobriu que, de sua destilação, outros produtos eram obtidos: o querosene, a gasolina e o gás de cozinha. Em 1893, o primeiro carro com motor a gasolina foi construído nos Estados Unidos. E virou uma febre, que dura até hoje.

Fonte: Aventuras na História