Fechar
Elites, democracia e política local | Lançamento

Elites, democracia e política local | Lançamento

A presente coletânea foi elaborada pelo grupo de pesquisa denominado “Elites, Democracia e Política Local” e contém os trabalhos de seis jovens licenciados em História pela Universidade do Estado da Bahia (DCH V – Santo Antônio de Jesus), que já haviam participado, na qualidade de bolsistas, do Programa de Iniciação Científica da Uneb, entre os anos de 2013 e 2016.

Elites, democracia e política local | Lançamento

Portanto, cada um dos primeiros seis capítulos que constituem este estudo, dedicado à política local no estado da Bahia, é oriundo de uma experiência individual, conduzida pelo pesquisador no próprio município de origem, mas baseada em uma metodologia que foi elaborada em conjunto, sob minha supervisão. Todas as pesquisas estruturaram-se a partir de três momentos fundamentais. Inicialmente foi realizado um levantamento dos dados relevantes e quantificáveis (nome, sobrenome, nome na urna, sexo, cor da pele, naturalidade, data de nascimento, idade quando eleito, grau de escolaridade, ocupação profissional, residência, religião, eventual parentesco com outros políticos locais, partido de filiação, coligação de apoio e número de votos obtidos) referentes a 48 mandatos de prefeito, 47 de vice-prefeito e 482 de vereador, eleitos entre 1988 e 2016 nos seguintes municípios do interior do estado: Boquira, Dom Macedo Costa, Laje, Muniz Ferreira, Mutuípe e Taperoá.

Em seguida, buscaram-se novos indícios relacionados à trajetória pública desses políticos locais, recorrendo às evidências disponíveis no site do Supremo Tribunal Eleitoral, nos arquivos dos fóruns e das câmaras municipais, nos jornais de difusão estadual e na memorialística produzida in loco; tais informações foram complementadas por meio de entrevistas com os próprios políticos e com outros eleitores das seis cidades.

Finalmente, concluída a fase da coleta dos dados e sistematizados os mesmos em quadros sintéticos, gráficos e tabelas, procedeu-se ao momento analítico propriamente dito, a partir do qual cada um dos pesquisadores formulou uma hipótese acerca das características da elite política do próprio município.

Foi, assim, abordada toda uma série de questões, a saber: o papel das lideranças carismáticas em nível local e sua relação com as classes dirigentes tradicionais; o peso eleitoral de coligações e partidos políticos, sua durabilidade e sua evolução no tempo; o significado que o conceito de “hegemonia política” pode revestir em nível municipal; a utilização de práticas demagógicas de tipo populista na construção do consenso eleitoral; o espaço que mulheres, negros e cristãos protestantes ocuparam nas elites políticas locais e a importância que certas figuras profissionais, em detrimento de outras, têm na conformação das mesmas etc. Note-se que o procedimento adotado pelo nosso grupo de pesquisa foi de tipo indutivo, alicerçado sobre um método que não teve outra função além de permitir o confronto entre as informações obtidas em campo e nos arquivos.

Estamos, de fato, convencidos de que há de se ter muito cuidado, particularmente no domínio da Ciência Política, ao começar um estudo pela reflexão teórica ao invés de começar pela apreciação dos dados empíricos, sobretudo se nele estiverem envolvidos jovens com pouca experiência de pesquisa. Os riscos para estes, mesmo que bem orientados, é que fiquem desalentados pela distância existente entre as teses que foram elaboradas em outros âmbitos espaciais e temporais e o próprio objeto de estudo ou, ao contrário, que aceitem tais teorias de maneira acrítica, como postulados necessários para interpretar a realidade.

Com isso não quisemos diminuir a importância de uma sólida preparação teórica, mas preferimos aconselhar os nossos pesquisadores a se dedicar à literatura específica somente após ter completado o levantamento e a análise dos dados quantitativos. Foi assim que eles conseguiram identificar aspectos da classe dirigente municipal que não somente suscitaram seu interesse, mas sobre os quais dispunham, ao mesmo tempo, de informações suficientes para formular hipóteses cientificamente verificáveis. Resta saber se tais hipóteses podem ser generalizáveis em outros contextos e, para isso, no capítulo de minha autoria que encerra o volume, tentei sintetizar os dados das pesquisas individuais em uma espécie de perfil estatístico das elites políticas das seis localidades. Assim, aplicando a mesma metodologia a novos estudos de caso, conduzidos por pesquisadores diferentes e em outras prefeituras, será possível confirmar ou desmentir as conclusões às quais chegamos.


Organizador da obra:
Giuseppe Federico Benedini é professor titular da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Mestre em história pela Universidade de Turim, é doutor com pós-doutorado em Ciência Política pela Universidade de Roma 3. Escreveu livros e artigos científicos sobre a história da Argentina e a imigração italiana na América Latina. Desde 2014 lidera o grupo de pesquisa da UNEB “Elites, Democracia e Política Local”, que aplica o método quantitativo ao estudo das classes políticas municipais no estado da Bahia.