Fechar
Economia política global | lançamento

Economia política global | lançamento

A economia política global como campo de estudo.

O que é a economia política global e quem faz parte dela? Num primeiro momento, essas perguntas poderiam levar a pensar em empresas multinacionais, agências de desenvolvimento, ou organizações internacionais.

São todos atores de certo peso econômico, que operam por meio de fronteiras nacionais, e cujas decisões causam impactos em diversas economias no plano mundial. Pensando na economia global como o que aparece no noticiário e em muitas escritas de especialistas econômicos, isso certamente seria uma resposta correta. Porém, também é fato que a economia global, vista como uma multitude de transações de compras, vendas, investimentos e movimentos financeiros, é tão interconectada que é muito difícil, senão completamente impossível, decidir por onde ela começa e termina.

Um exercício interessante a esse respeito seria pensar em como coisas aparentemente cotidianas e locais são ligadas ao funcionamento da economia global. O pastel vendido na rodoviária, por exemplo, leva trigo importado da Argentina, processado por um trader suíço, transportado por uma companhia de navegação norueguesa, num navio registrado no Panamá, com a tripulação nativa das Filipinas. A fritadeira usada para o pastel leva partes de nove países asiáticos, mas é montada na zona franca de Manaus por uma subsidiária de uma empresa alemã. Finalmente, o salário do cozinheiro que preparou o pastel é gasto parcialmente numa feira de produtos chineses importados por meio do Paraguai, mas também transfere 135 reais cada mês para a sua família em Cochabamba, na Bolívia. A própria transferência é feita por uma empresa dos Estados Unidos, especializada em pequenas remessas. Embora o comprador do pastel, seu João, nunca tenha saído do estado de Goiás, o dinheiro que pagou pelos produtos e serviços embutidos na preparação do seu lanche alimentou uma grande cadeia de transações econômicas que juntas fazem a economia global girar.

Qual o sentido de falar em economia política global? No final das contas, as decisões feitas pelos participantes individuais desse “motor” econômico que garante que o seu João possa matar sua fome antes de pegar o ônibus não são determinadas por questões simples de natureza não política? O trigo não vem da Argentina porque o clima de lá simplesmente é melhor para essa lavoura? A companhia de navegação da Noruega não provém do fato histórico de esse povo acumular mais de mil anos explorando os oceanos? E, por fim, o fato de a camiseta barata que o vendedor de pastel, Gonzalo Jimenez, comprou com parte do seu 13º salário provir da China não é simplesmente uma consequência natural de fazer mais sentido para a jovem de 19 anos do interior da China optar por trabalhar numa fábrica em vez de cultivar o minúsculo lote de terra onde nasceu? Se essas decisões todas são tomadas por indivíduos que buscam o melhor retorno do seu trabalho e a melhor qualidade de vida, o que isso tem a ver com política? Muito.

Este livro parte da premissa de que questões políticas são intrinsecamente ligadas ao funcionamento do sistema econômico, desde a venda do pastel na escala local da rodoviária até a fusão das empresas de commodities agrícolas no nível global. Portanto, aqui se sustenta que todas as decisões econômicas, queira ou não, têm necessariamente um significativo aspecto político e que é impossível separar questões sobre como investir, produzir, empregar, taxar e distribuir recursos econômicos das suas variadas implicações políticas.

Olhando nos livros de ensino de economia, é fácil ficar com a impressão de que todas as decisões podem se resumir ao que é mais racional fazer para cada agente econômico para obter o maior nível possível de bem-estar material. Porém, por mais que a ciência econômica se choque com a complexa realidade social, no nível nacional e global, mais evidentes ficam as limitações das previsões teóricas. Assim sendo, enquanto marcar um “X” onde as curvas de procura e demanda se encontram pode ajudar uma empresa a definir o preço dos seus produtos, essa abordagem será menos útil para ajudar um governo a definir o valor do salário mínimo. Isso se deve ao fato de que, na realidade, as leis da economia conceitual são moldadas por práticas e instituições sociais, além de questões sobre ética, justiça e moral. Na hora de definir as alíquotas tributárias ou investimento na educação pública, tais considerações de natureza não estritamente econômica, porém centrais pelo campo de estudo de economia política, se farão presentes.

Continue a leitura acessando o trecho disponível aqui