Fechar
Borracha da Segunda Guerra é encontrada no Sergipe

Borracha da Segunda Guerra é encontrada no Sergipe

200 pacotes de borracha da Segunda Guerra são encontrados no Sergipe. Segundo as autoridades, as primeiras caixas datadas do conflito foram identificadas no litoral nordestino há cerca de 15 dias.

Nos últimos 15 dias, autoridades e visitantes das praias do Sergipe vêm encontrando curiosos pacotes de borracha nas areias da região. Agora, segundo a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), estima-se que os materiais vieram diretamente de um navio naufragado durante a Segunda Guerra Mundial.

200 pacotes de borracha da Segunda Guerra são encontrados no Sergipe. Segundo as autoridades, as primeiras caixas datadas do conflito foram identificadas no litoral nordestino há cerca de 15 dias.
Fotografia de alguns dos pacotes encontrados – Divulgação/ Adema

No total, são cerca de 200 caixas encontradas em Aracaju, Pirambu, Estância, Barra dos Coqueiros, Itaporanga D’Ajuda e Pacatuba. E foi apenas graças aos estudos da Universidade Federal do Ceará (UFC) que o material acabou sendo identificado.

São defensas, que são utilizadas nas embarcações contra atrito, seja na hora de atracar ou em possibilidade de choque com outro navio. Nos últimos quinze dias, todos os dias, estamos tirando da linha costeira”, narrou Gilvan Dias, diretor-presidente da Adema.

Além de identificar o material, os cientistas da UFC ainda verificaram que os pacotes vieram de um navio naufragado entre 1º e 4 de janeiro de 1944. Descoberta apenas 50 anos depois de afundar, em 1996, a embarcação sofreu com a corrosão causada pelas águas do mar e, assim, acabou liberando as caixas misteriosas no Oceano Atlântico.

Agora, as autoridades da região pedem que, caso mais pacotes sejam encontrados, os responsáveis pela descoberta entrem em contato com empresas de limpeza dos municípios, ou até mesmo com a Adema. “[O material] não é tóxico, mas não é interessante estar manipulando, pois podem ferir e são pesados”, explicou Gilvan Dias.

Fonte: Aventuras na História